8 COISAS QUE APRENDEMOS NA ATD 2019

Humanização, conexão, confiança, empatia, individualização e engajamento. Essas foram as palavras que eu mais ouvi durante a “ATD 2019 International Conference & Exposition”, maior evento voltado para o desenvolvimento de talentos e aprendizagem corporativa do mundo que foi sediado em Washington D.C. (EUA) em maio.

Durante quatro dias, 13.500 pessoas de 88 países discutiram o desafio de treinar e desenvolver. O mais impressionante é que os temas das 300 palestras oferecidas durante o Congresso traziam muito sobre tendências, modismos, ferramentas, mas em quase tudo que eu particularmente assisti o foco estava no impacto, na ampliação da consciência e como, na era digital, as pessoas são as grandes protagonistas.

No meio de tanta digitalização, inteligência artificial, tecnologia, o grande insight que tive na ATD não foi sobre qualquer tipo de ferramenta ou metodologia, mas sobre como esse novo contexto tende a nos permite a viver mais a nossa essência. O que gerar repetição e não emoção, o que for lógico ficará com as máquinas. Ao ser humano cabe ampliar sua consciência sobre o seu papel, sobre o quanto ele é fugaz, mas o quanto, independentemente do tempo, ele pode impactar sua vida, a vida de outras pessoas e o mundo a partir da sua essência que é SER HUMANO.

Abaixo listo oito dicas valiosas dadas por grandes profissionais na ATD 2019

1.Treinadores de Vendas como Parceiros de Negócios

Num mundo cada vez mais digital, diferenciar-se é um desafio gigante e, por isso, a força de vendas tem ganhado cada vez mais importância para as organizações. E com a isso a pressão sobre a área de treinamento de vendas se torna ainda maior. É preciso estar mais interessado no impacto que as soluções de aprendizagem têm do que na solução em si. Para as áreas de negócios e participantes de treinamentos de vendas a aplicabilidade é fundamental. É preciso que a área de treinamento de vendas conheça os desafios que o time enfrenta para vender, ou seja, o mercado, a concorrência, o cliente, o produto, o processo e tudo que impacta o profissional de vendas; identifique o que faz a diferença em termos de competência e que isso seja aplicável no contexto; utilize uma linguagem que seja próxima, nem rebuscada e teórica demais e nem infantil; implemente a solução de aprendizagem por meio de uma metodologia que seja divertida e não boba; e que apresente conteúdos profundos, com cases e aplicabilidade ao segmento.

2. Performance das Emoções

Por que sentimos o que sentimos? Quando os nossos comportamentos são guiados pelas nossas emoções qual o resultado? É preciso reconhecer o que sentimos, mas também porque sentimos e como reagimos aos nossos sentimentos. As dicas fornecidas foram:  Aceite: sentir emoção é do ser humano e aceitar isso é uma premissa para regular nossas emoções. Mude a perspectiva: se imagine numa situação de alta pressão, mas faça isso num momento em que você estiver sem essa pressão. Prever situações tira a carga emocional da surpresa. Compareça/ Viva a emoção: entenda que você atrai a energia que coloca nas coisas. Diante de uma situação que te gera emoções negativas, seja grato ao que há de positivo aquela situação representa para você. Revisar/Complementar: Observe o que está acontecendo com você. Por que estou sentindo o que estou sentindo? Qual a raiz do seu incômodo. Pratique: você só vai conseguir controlar a emoção a partir do momento em que reconhecer o efeito que ela faz e se preparar para lidar com ela. A relação pensar, sentir e agir é muito importante para o alcance da alta performance e estão diretamente relacionados ao nosso nível de autoconsciência.

3. Qual sua missão no mundo?

A primeira e mais importante missão que você tem neste mundo é ser você em toda a sua plenitude e a partir daí se colocar em serviço de outras pessoas. Ser quem você é custa caro. Você acaba perdendo coisas e pessoas. Mas ser quem você não é custa mais caro ainda, pois você vive uma eterna ilusão. Ouça sua intuição. Reconheça sua importância. Você é único, você é especial, ninguém neste mundo é igual a você.

4. Mudando a Cultura por Meio do Desenvolvimento da Liderança

A maneira como sua empresa é vista por dentro é a mesmo como sua empresa é vista por fora? A marca da liderança é o que reforça sua cultura. É necessário que a marca pessoal de um líder seja percebida do lado de dentro de uma maneira que seja positiva para os objetivos organizacionais. Precisamos que o ambiente seja confiável e que todos percebam que trabalhamos para o bem comum.

5. O Poder do Hábito

Por que fazemos o que fazemos? Por que algumas pessoas têm sucesso e outras não? Em relação aos hábitos, a primeira coisa que precisamos entender é que nosso cérebro está o tempo todo procurando maneiras de economizar energia e por isso recorre a coisas com as quais estamos acostumados. No entanto, é preciso lembrar que um hábito é uma escolha que em algum momento da vida fizemos de forma consciente, mas que depois se tornam comportamentos automáticos, inconscientes, daqueles que fazemos sem pensar. Quando os resultados que desejamos não acontecem a primeira coisa que, na teoria, deveríamos fazer é investigar os nossos hábitos para entender qual deles nos ajuda no alcance dos objetivos e quais não. Os nossos hábitos são responsáveis pelos nossos resultados. Se você quer promover alguma mudança dentro de você, a primeira coisa que você tem que ter é essa consciência.

6. Desafios para Mensurar o ROI em T&D

É importante criar um processo de elaboração do treinamento que permita a sua mensuração. Mas, na verdade, o foco em si não deve estar em mensurar e sim em oferecer algo que efetivamente gere impacto nos resultados da empresa e que, exatamente por isso, seja passível de mensuração. Nesse sentido, a primeira questão a ser respondida é: qual o problema ou desafio da organização que pode ser melhorado ou resolvido se o comportamento das pessoas mudar? O ponto não é só focar no objetivo do negócio, mas o que pode ser influenciado diretamente pelo comportamento das pessoas, se não, vamos tentar resolver com treinamento um problema de logística, por exemplo. Tiro no pé. A partir daí é só descer na pirâmide e determinar quais comportamentos precisam ser modificados, o que precisa ser aprendido para que as pessoas sejam capazes de se comportar de forma diferente e, por fim, qual o melhor plano para isso.

7. Seres humanos querem se conectar uns aos outros

Seres humanos farão de tudo para se conectarem uns aos outros, independente da tecnologia. Conexão virtual é também uma conexão real. Existem pessoas que são muito amigas, mesmo nunca tendo se encontrado pessoalmente. As pessoas querem fazer parte de algo maior que elas mesmas e a conexão entre a arte e a tecnologia nos permite fazer algo grandioso. Tecnologia dá ganho escala, permite conexões no mundo inteiro, mas é a arte que nos diferencia e a emoção que vivenciamos que cria memória.

8. Reduza o estresse, aumente a produtividade e evite a saturação de tarefas

Por que algumas pessoas conseguem alcançar o sucesso e outras não? É preciso definir uma medida de sucesso. Se der um objetivo mesmo estando a distância de anos luz dele. Três pontos são fundamentais para gerar mudanças consistentes: defina uma visão: é preciso entender que a sua visão pessoal é a semente do seu legado. É preciso ter clareza do que você deseja, de onde quer estar, do que quer ser para o mundo. Crie visões para suas diversas identidades: mulher, profissional, esposa, amiga, etc. Elabore um plano: você tem 90% de chance de alcançar sua visão se você definir metas para elas e escrever um plano. Priorize seu tempo: é preciso ter foco, ele nos ajuda a escolher aquilo que fica de fora. O desafio não é conhecer essas dicas, é colocá-las em prática. As pessoas de sucesso vivem por meio de ações e as demais de desculpas!

Por Carolina Manciola – Sócia-Diretora da Posiciona Educação & Desenvolvimento.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail