Como o propósito transforma potencial em desempenho

Um novo relatório do EY Beacon Institute apresentou os resultados de uma pesquisa conduzida junto a 1.470 líderes corporativos globais representando empresas de vários setores. O estudo, intitulado “Como o propósito pode revelar um caminho para a disrupção?”, mostra que o propósito, mais que o lucro, pode ser a chave para o sucesso em meio a uma economia global claudicante.

De acordo com o relatório, há uma grande mudança ocorrendo na maneira como as organizações percebem o propósito. Dos entrevistados, 45% disseram que suas empresas visam criar valor para múltiplos stakeholders, não apenas para os acionistas. Compare isso com aqueles que se concentram em agregar valor aos clientes (33%), aumentar o valor das ações (15%) e contribuir com o bem-estar dos funcionários (11%): eles se concentram em um único grupo beneficiário do sucesso organizacional, o que significa que os outros dois são preteridos em longo prazo.

Mais importante que isso talvez seja o percentual de empresas que declaram que o propósito está integrado com a estratégia e as tarefas rotineiras da companhia: 68%. Os líderes dessas companhias afirmam que o propósito lhes empresta a capacidade de inovar em tempos disruptivos. Isso é importante porque quando os mercados se enchem de incerteza, a última coisa que a maioria das empresas quer fazer é apostar em inovações.

Em suma, uma nova forma de fazer negócios está surgindo. No entanto, uma narrativa apenas baseada em ideais e propósito, sem um acompanhamento substancial, pode causar mais mal do que bem. Frustrar as expectativas de acionistas, clientes e funcionários gerará desperdício de oportunidades e de grandes receitas em médio prazo. Por essa razão, a pesquisa da EY identificou quatro etapas que ajudam a garantir que o propósito organizacional seja direcionado para transformar o potencial do capital humano em alto desempenho. Veja:

  1. Missão e valores: este é um tópico desgastado, mas continua sendo essencial. Estabelecer de maneira clara e bem comunicada qual é a missão da companhia, e seus valores, é o primeiro passo para garantir que o propósito ganhe vida e esteja presente no dia a dia das organizações.
  2. Incorporando o propósito: assim como a própria cultura corporativa, o propósito deve ser incorporado por cada membro da equipe. Ele decorre de um planejamento estratégico detalhado e do compromisso com a entrega consistente. E extrapola tudo isso para oferecer um senso de pertencimento à companhia.
  3. Avaliação constante: empresas com propósito medem o desempenho organizacional constantemente sob o prisma de sua missão maior, sua razão de existir. Elas são realistas, usam KPIs e métricas e buscam ativamente o feedback de clientes, funcionários e acionistas.
  4. Aceleração: depois de alinhar a estratégia organizacional com o propósito de todos os stakeholders, fica evidente que quanto mais incorporado o propósito estiver na cultura, mais cedo ele criará valor. Isso significa garantir que todos os funcionários vivam e demonstrem seu compromisso com o objetivo, do nível executivo até a linha de frente.

É possível perceber que as empresas líderes de hoje destacam-se por algo maior que elas mesmas, transcendendo as equações “acionista x stakeholder” e “lucro x propósito”. É por isso que tantos clientes da Posiciona Educação e Desenvolvimento estão apresentando demandas e projetos envolvendo este tema.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail