#ParceirosdePropósito: Transformação Digital em Educação

Hoje na nossa série de Lives “Parceiros de Propósito” recebemos a Rina Xavier Pereira, Gerente Geral do IBMEC-Brasília, para falar sobre “transformação digital na educação”.

Hoje, a expressão “transformação digital” está mais para o senso comum do que para uma área científica. Significa o uso intensivo de tecnologia para o aprimoramento de pessoas e/ou negócios. Rina nos trouxe a visão do IBMEC, de que agora é a hora da junção de escola e parceiros, para levar conhecimento e educação a todos os lugares. Que possuem uma plataforma online muito forte, mas é preciso mudar a visão, mudar a forma de fazer e- Learning.

Com a necessidade atual da transformação digital por conta da pandemia, nos demos conta de que somo frágeis e que precisamos mudar a cultura organizacional. Algumas empresas já estavam fazendo isso há algum tempo e outras precisaram agora se adaptar. Ela nos disse que em uma semana o IBMEC teve que virar a chave: do totalmente presencial para o totalmente virtual. Isso implicou em novos conhecimentos, novas formas de fazer aulas, questões tecnológicas e investimentos.

Alunos e professores vêm aprendendo nesse processo. O EAD (ensino a distância) não é algo exatamente novo, mas passou a ser impulsionado pela tecnologia há cerca de 15 anos e por volta de 2010 se intensificou nos EADs das empresas e universidades. Entretanto, é preciso mudar o mindset, promover novas experiências no EAD, que Rina prefere chamar de aulas remotas, para ir muito além do “EAD clássico”.

Ela nos disse: há o desafio de aprimorar a experiência do ensino remoto, pois os alunos reclamavam muito de apenas ler slides no EAD clássico. É preciso se preparar, se embasar para dar uma aula que promova uma experiência síncrona e traga mais dinamismo para a educação remota.

Quando pensamos em treinamentos presenciais, por vezes enviamos aos alunos atividades prévias, os pre-works. Mesmo assim, as pessoas ainda ficam na expectativa de que é no presencial que tudo acontece. Hoje talvez as pessoas já consigam perceber a importância da preparação para o momento de encontro digital, pois buscam a melhor experiência. Assim, a transformação digital deve levar a melhor experiência possível para o processo de aprendizado.

Perguntamos: como levar a experiência da educação presencial para o ambiente digital?

Rina nos disse que atualmente temos ferramentas fantásticas, podemos ser mais criativos, sair da caixa, usar a experiência e conhecimento para gerar o desenvolvimento. Não adianta só o professor fazer coisas mirabolantes: é preciso haver troca, o aluno também precisa se reinventar. Hoje temos condições de levar para o digital boa parte do que fazemos no presencial, fundamental para a interação.

LearningON

Estamos ressignificando muitas coisas:
Que o online não é algo bom, que tem que ser barato
Que é só assistir as videoaulas
Que o meu estilo não funciona no online
Que não é possível que se possa aprender em menos tempo o que se aprenderia em mais horas presenciais
E assim por diante, precisamos quebrar esses paradigmas.

Como no presencial, professores precisam trocar boas práticas entre si, dizer o que vem funcionando, lembrar que cada turma é diferente, seja nas organizações ou instituições, é preciso fazer a leitura da turma, do aluno, para entender o que pode ajudar no processo de aprendizado.

E como o IBMEC preparou os professores e alunos? Eles fizeram reuniões por praças, falaram das mudanças, definiram equipes de tutoria para ferramenta, outra equipe de tutoria para falar da metodologia, fizeram muito treinamento com os professores. A equipe de TI estava 100% disponível, além de conversar com os alunos para alinhar as ações e ouvir o que eles esperavam desse momento.

É preciso ter cuidado para não fazer juízo de valor entre presencial e digital, depende muito do contexto e do momento de cada um. Temos profissionais muito bons para facilitar o conteúdo, a experiência que o facilitador proporcionava no presencial vai muito provavelmente refletir no digital.

E como o IBEMEC enxerga essa relação presencial x digital? Rina nos disse que eles pensam, de fato, que esse pode ser o futuro deles, que ainda estão analisando o que dá para fazer e o que precisa ser melhorado em termos de plataforma, professores e a entrega. Acredita que no futuro terão um ensino um pouco mais blended, combinando o presencial com o digital.

Essas mudanças que estamos sendo obrigados a abraçar agora não deve mudar tão cedo e as pessoas passaram a ser mais tolerantes para a realização dessas atividades remotas, especialmente na área de educação.

O ponto de atenção está em não perder a cultura empresarial em relação a cultura digital, elas precisam ser conciliadas. Teremos uma curva de aprendizado e aculturamento e se acreditamos que vale a pena do ponto de vista conceitual, o que precisa mudar é a forma de enxergar o ensino remoto como massivo e pouco relevante.

A mensagem final que a Rina nos trouxe é que “a experiência que vamos proporcionar ao aluno será tão, ou mais importante, que o certificado entregue.” Bacana, não é mesmo?

Siga acompanhando nossas lives “Parceiros de Propósito”, e os resumos que publicamos aqui depois. Curta, comente e compartilhe com pessoas que você acredita que podem se beneficiar com esses conteúdos! Até a próxima!

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail